Big Data

Big Data

As pessoas costumam relacionar Big Data com grande volume de dados. De acordo com o IDC (Digital Universe Study), a tecnologia de Big Data descreve uma nova geração de tecnologias e arquiteturas desenhadas para extrair valor de grandes volumes variados de dados, permitindo alta velocidade de captura, descoberta e/ou análise de informação. Então, Big Data na realidade é sobre volume, variedade e velocidade, os três ”Vs” do Big Data.

De acordo com o último IDC Digital Universe Study, patrocinado pela EMC, “em 2011, o volume de informação criada e replicada passará dos 1.8 zettabytes (1.8 trilhões de gigabytes) – com crescimento na escala de 9 em apenas 5 anos.”

Mas por que esse dilúvio de dados? Paradoxalmente, esse dilúvio de dados não é produzido por nós com a publicação de artigos, upload/download de músicas ou gravando filmes, o volume disso é bem menor comparado ao volume de dados criado sobre nós. Vamos pegar um exemplo bem fácil: Quando nós usamos um smartphone, em um clique, nós produzimos sem perceber muitos dados, através de milhares de conjuntos de sensores: Localização geográfica, movimentação e direção via GPS ou multilatência de sinais de rádio entre as torres de celular, históricos de navegação, sem levar em conta todas as informações que voluntariamente publicamos nas redes sociais como Facebook, Foursquare ou Tweeter.

O novo mundo digital em que vivemos agora é composto por vastos oceanos de informação que jogam cada vez mais “água”, através da proliferação de novas ferramentas conectadas à internet. Obviamente todos esses periféricos conectados estão gerando um fluxo contínuo de dados que poderiam ser usados através de computação sofisticada e ferramentas de estatística para desenvolver a cadeia da transformação da nova informação: De sinal para dado, de dado para informação e de informação para conhecimento.

As implicações dessa nova era de conhecimento para os negócios, governos, democracia e cultura são imensuráveis, por isso é importante que cada cidadão entenda o potencial e as consequências dessa nova tendência.

Deixe uma resposta